quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Soluções Livres adotadas pela Procuradoria Geral do Estado da Paraíba.


Desde 2007 a Procuradoria Geral do Estado da Paraíba tem optado preferencialmente por soluções livres de licenciamento para atender suas necessidades por sistemas e ferramentas baseadas em computador. Tem como objetivo gerar economia para o estado com a aquisição de tais licenças e melhorar a segurança da rede interna da PGE/PB.

A aplicação de tal política naturalmente iniciou-se pelos programas utilizados nos servidores, que são os computadores centrais que compartilham recursos e serviços acessados pelos usuários através de interfaces gráficas geradas por aplicativos nas estações de trabalho (máquinas clientes) de forma transparente, isto é, sem que o usuário perceba que programa está fornecendo tal serviço ou recurso, o que praticamente não gera impacto para os usuários. Logo, a primeira solução livre implantada na instituição foi o sistema operacional para acionar os servidores. Para tanto foi escolhido o Ubuntu Linux, devido a familiaridade dos técnicos lotados na Sub-gerência de Tecnologia da Informação com o mesmo, mas principalmente devido a grande e muito ativa comunidade em torno desta distribuição que torna muito fácil encontrar suporte.

Os primeiros serviços disponibilizados sob a nova plataforma dos servidores, destinados ao controle da própria rede, foram: serviço de firewall, proxy de rede, DHCP – Dynamic Host Configuration Protocol e DNS – Domain Name System. As implementações escolhidas destes serviços foram iptables, squid, dhcpd e bind, respectivamente. Posteriormente, foram sendo introduzidas as aplicações para automatização dos processos internos do órgão. Neste momento, entraram em cena o PostgreSQL como banco de dados relacional, o Apache como serviço web, o Tomcat como contêiner para aplicações Java tais como o carro-chefe da instituição: o SGP – Sistema Gestor de Processos – e as linguagens de script PHP e Python/Django para aplicativos de pequeno porte que apoiam rotinas administrativas do órgão. O portal da PGE/PB foi desenvolvido sobre a plataforma Python/Zope/Plone, utilizando como base um pacote chamado PortalModelo desenvolvido pelo Interlegis. O portal além de servir como site institucional também funciona como intranet, concentrando diversos serviços inclusive uma base de dados textual que é usada para entre outras coisas a catalogação dos pareceres editados pela PGE/PB.

Os últimos serviços implantados na infraestrutura da PGE/PB foram o compartilhamento de arquivos via Samba e autenticação via openLDAP. Este último serviço futuramente poderá concentrar a autenticação de todos os sistemas da Procuradoria Geral do Estado, fazendo com que os usuários da rede utilizem um único login e senha para logar na rede, ter acesso restrito a conteúdos da web, além das aplicações da área fim.

Nas estações de trabalho, as aplicações utilizadas são: Ubuntu, BrOffice.org, Firefox, etc..

Atualmente, a PGE/PB encontra-se com seu parque computacional 100% acionado por Linux e com isso já economizou mais de R$ 1 mi, conforme descrito na matéria anterior.